Madeireiros do Amazonas se unem e pedem mudanças em setor para o governo

Um documento com reivindicações do setor madeireiro será entregue, hoje, ao Governo do Estado por representantes do polo de Manacapuru. Há uma semana, pelo menos 42 madeireiros se reuniram, no complexo turístico Paraíso D’Ângelo, para discutir medidas para beneficiar o setor. A partir do encontro foi elaborado o documento, que também será apresentado ao Governo Federal.

“Convocamos o setor das indústrias madeireiras de Manacapuru para organizar o segmento madeireiro daqui, que é um dos maiores polos madeireiro do Estado do Amazonas”, resumiu o presidente da Federação dos Detentores e Elaboradores de Manejo e Enriquecimento Florestal e dos Usuários de Produtos da Floresta do Estado do Amazonas (Fedemflor), Sérgio Carlos Nascimento.

Os madeireiros reclamam principalmente da falta de assistência técnica, concorrência com as madeireiras ilegais e de uma suposta “indústria das multas”, assim como o desperdício das apreensões feitas, cuja comprovação de irregularidade chega a demorar anos para sair.

No encontro, Sérgio Carlos Nascimento destacou a importância do setor para a economia do Estado e que os problemas existentes hoje está impedindo o crescimento da atividade, já que recursos, de acordo com ele, existem. “Hoje nós temos a matéria prima legal comprovada para se trabalhar durante dois anos [autorizada] o que está faltando é incentivo”, disse ele.

Plano de ação

O empresário disse que o plano de ação elaborado por eles será levado ao presidente Jair Bolsonaro e ao governador Wilson Lima, com quem os empresários do polo madeireiro de Manacapuru já têm um encontro marcado hoje, na Federação das Indústrias do Amazonas (Fieam), em Manaus.  “Nós vamos aproveitar o momento em que o governador vai apresentar proposta ao setor empresarial e estaremos lá para apresentar a nossa proposta para ele”, adiantou.

Os empresários madeireiros esperam conseguir o apoio do Executivo estadual. “Se ele nos ajudar, nós vamos com a matéria prima, que são os manejos florestais, que hoje está em torno de 1,5 milhão de metros cúbicos, que nós temos aprovados e licenciados para dois anos”, disse, apontando o potencial econômico da atividade para o próximo biênio e a crise pela qual o Estado e o País passam.

Conforme Sérgio Carlos Nascimento, se essa matéria prima chegar à indústria para ser processada, vai gerar, por ano, mais de 100 mil empregos no interior do Estado. “Isso seria mais do que o Polo Industrial de Manaus, gera na capital atualmente 80 mil empregos”, ressaltou. De acordo com ele só em Manacapuru, a ideia é gerar em dois anos 10 mil empregos.

Fonte: A Crítica

Outras Notícias

Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 26 milhões no sábado (16)

Ninguém acertou as seis dezenas do concurso 2124 da Mega-Sena, sorteado na noite desta quarta-feira (13). A loteria s...

“Notícia para alegrar todo mundo”, diz Bonner sobre Maju no JN

Maria Julia Coutinho, mais conhecida apenas como ‘Maju’, ocupará a bancada do Jornal Nacional no próximo sábado (16)....

Testemunha do acidente de Boechat consegue apoio financeiro para realizar cirurgia cerebral

Leiliane Rafael da Silva, 28, testemunha chave na investigação do acidente e morte do jornalista e colunista da IstoÉ...

Bolsonaro recebe alta médica e deixa hospital em São Paulo

O presidente Jair Bolsonaro recebeu alta médica e deixou o Hospital Albert Einstein, na capital paulista, às 12h20 de...

Forte chuva causa alagamentos, quedas de árvores e desabamentos de casa em Manaus

A forte chuva que atingiu Manaus na manhã desta quarta-feira (13) causou alagamentos em ruas e avenidas, quedas de ár...

Maior praticante de furtos de interior de veículos do Amazonas é preso pela polícia

Integrantes de uma quadrilha especializada em roubos e furtos em Manaus foram presos e apresentados na manhã de hoje ...